terça-feira, 18 de agosto de 2015

Morre Pai Euclides


Foto: Murilo Santos

Pai Euclides morreu. Era Euclides Menezes Ferreira, mas pelo santo foi batizado por Euclides Talabyan, iniciado para o Vodun Lissá. Ele morreu nesta segunda-feira (17) após sofrer um ataque cardíaco enquanto estava internado no Hospital Carlos Macieira, em São Luís. Ele tinha 78 anos.

Pai Euclides fundou a Casa Fanti Ashanti, ligada à nação Jeje-Nagô fundada em 1954.

Os Fantis e os Ashantis eram povos da antiga Costa do Ouro, na África, atual República do Gana. É uma Casa de Mina e Candomblé que mantém a tradição desde sua fundação.

Além dos rituais do Tambor de Mina, do Candomblé e das festas de Ogum, Oxossi, Obaluaiyê, Oxum, Oxalá, Nanã, Xangô, Oxumaré e Oyá, a Casa também pratica o Samba de Angola para os boiadeiros, bem como rituais ligados à pajelança, ao catolicismo popular (Espírito Santo) e ao folclore (como o boi de Corre Beirada e o Tambor de Taboca).




Euclides herdou seus conhecimentos religiosos de um antigo Terreiro Mina de São Luís - o Terreiro do Egito (Ilê Axé Niamê) - fundado em 1864, por uma africana de Kumasi, Mãe Basília Sofia (Massinokou Alapong ), que funcionou até o final da década de 70.

O Terreiro do Egito também foi referência ao também falecido Pai Jorge Itaci Kadanmanjá, do Terreiro de Yemanjá e várias gerações de Sacerdotes e Sacerdotisas, tais como Pai Airton de Ogun, Pai Mariano de Ossain, Iyá Luza de Oxum, Iya Venina de Ogun, Pai Wender de Xangô, Terreiro de Toy Jarina em São Paulo, Terreiro de Lisá do Pai Brasil em Belém, Terreiro da Mãe Roângela em Belém, terreiro da Mãe Emília em Belém, Pai Neto de Azile, Pai Miguem de Vanderegy, Pai Antônio de Toy Abidgá, Mãe Benedita de Nanã, Pai Luis de Azonsu, Pai Marcio de Xapanã e muitos filhos, netos e bisnetos.

Ali ainda se realizam visitas e rituais, mas atualmente o local se encontra ameaçado por sua localização estratégia portuária.

O Pai de Santo deixa extenso legado no plano religioso de matriz africana, com várias obras e trabalhos publicados, herdeiros, iniciados e admiradores.

Um comentário:

felix marinho disse...

Uma grande perda para os cultos afro-brasileiros, nós do candomblé na cidade do Rio de Janeiro expressamos nossos profundos sentimentos a todos os adeptos do tambor de mina, em particular aos filhos da Casa Fanti Ashanti.